Archive for the ‘ Aleatórios ’ Category

Sim, também sou uma incomodada

As pessoas consideram o BBB um programa idiota, acham que é falta de inteligência social falar tanto da Luiza enquanto tantos problemas acontecem no mundo, e não há mesmo como discordar disso tudo que dizem, não dá pra negar que o BBB é o programa mais idiota (ou um dos mais) que já existiu e que o mundo possui pautas muito mais interessantes que o assunto da Luiza que estava no Canadá. Mas acho que estamos subestimando um pouco esses males intelectuais do século.

O BBB é tão idiota que consegue ganhar a atenção de 100% da população. Sim, 100%. Seja pelos que gostam e comentam, seja pelos que criticam, ele é o assunto da pauta, e não porque alguns gostam, mas porque até mesmo os incomodados com tamanha idiotice, não conseguem parar de dar audiência para o programa. Agora, eu não chamaria de idiota um programa que consegue ser o assunto mais comentado pelo Brasil inteiro; acho isso no mínimo esperto, pois o que importa pra eles não é fazer um programa de cunho intelectual, nunca ofereceram isso como proposta, o intuito maior do programa é ganhar dinheiro, e isso eles sabem fazer muito bem, ou seja, o programa idiota cumpre muito bem com o seu papel. O problema é que as pessoas não admitem esse fato, e o resultado é que todo mundo contribui com seu sucesso. Afinal, quem é mais idiota, o programa que se coloca como tal, ou as pessoas que dizem que não suportam e mesmo assim ajudam a lembrar do programa o tempo todo?

E a Luiza, que coisa mais idiota pra se comentar tanto nas redes sociais, não é? Tanta tragédia no mundo, tantas crianças passando fome, tantas famílias desalojadas por conseqüência dos desastres naturais, tantos criminosos soltos e muitos deles no congresso, tantas e tantas desgraças, e as pessoas preocupadas com a Luiza que está com a vida ganha no Canadá? Bem, eu não diria que as pessoas estão preocupadas com a Luiza, apenas são pessoas que preferem levar a vida de uma maneira mais descontraída, pessoas que sabem criar graça onde pode haver graça, sem brincar com as coisas sérias. Rir de coisas bobas é bom, e não é porque o mundo está em crise (em todos os aspectos) que vamos deixar essa prática de lado.

Outro detalhe interessante nessa história toda é que já vi crítica pelo contrário também. Houve um período em que as pessoas se mobilizaram nas redes sociais indignadas com o fato de uma mulher ter matado um cachorrinho indefeso, em outro momento se manifestaram contra a construção da Usina de Belo Monte e, da mesma forma, houve pessoas criticando. Muitos disseram que comentar o ocorrido nas redes sociais era hipocrisia, que isso não mudaria nada, que ao invés de ficar falando deveríamos agir. E eu realmente concordo com essas críticas, todos sabemos que as palavras pouco fazem sem uma ação concreta, mas então, que ao menos possamos criar “assuntos” que nos permitam amenizar os tristes fatos que ocorrem diariamente, ao nosso lado. Quem não gostar da brincadeira, é só não brincar, e com certeza ela se acaba antes do esperado.

Sim, eu assisto ao BBB quando dá, achei graça na Luiza, mas eu também concordo que são assuntos que não têm nada a me acrescentar, concordo que às vezes irrita um mesmo assunto sem sentido nortear todos os posts do facebook, mas não é por isso que eu vou contribuir com a popularidades desses demonstrando a minha insatisfação, por que isso só faz com que o poder de alcance desses assuntos se alavanquem. Cada vez que você posta uma crítica ao BBB, você está divulgando o programa e, talvez, alguém que não conhece, passa a assistir pra ter suas próprias conclusões, aí pronto, você que não gosta do BBB e que quer que o programa acabe, contribuiu para mais um ponto de audiência. E cada vez que você pede pra pararem de falar da Luiza, quem está falando dela é você.

Curta quando achar interessante, compartilhe quando concordar, comente mesmo se for pra ser contrário, afinal todos têm o direito de expressar a sua opinião, mas não fique batendo na mesma tecla, não se preocupe tanto em demonstrar a sua apatia com o assunto, respeite a opinião dos outros para que você não seja obrigado a ter contato com o que não quer por mais tempo. Incomodados, se mudem, ou aceitem a contradição que vocês estão criando.

Anúncios

Só queria falar uma coisinha

Nossa, eu pensei tanto tempo em escrever com frequência pra este blog. Fiz planos de postar alguma coisa pelo menos três vezes por semana, e veja o que acontece, nada deu certo. Continuo postando coisas aqui a cada dez dias, pelo menos.

Definitivamente não sei mais o que fazer para mudar essa realidade, e o problema nem é a falta de tempo para escrever, isso a gente dá um jeitinho, afinal, como dizem grandes nomes do nosso mundo profissional (os patrões) “o que você faz da meia noite às 6?”. O problema é a falta de tempo pra desenvolver algum assunto, e até a falta de tempo para encontrar um assunto.

Fico pensando no que dizer, sempre, pra não acabar dizendo coisas desinteressantes (espero ter conseguido até agora), e pensando nisso, acabei encontrando um assunto pertinente aos meus pensamentos, justamente esse: gente que fala, fala, e não tem nada a dizer.

Tá, vamos lá, quem é que nunca se pegou falando pelos cotovelos e, depois, percebeu que não fazia tanto sentido o que estava falando? Acho que todo mundo já cometeu essa gafe pelo menos uma vez na vida. E as vezes o problema nem era o que você estava falando, mas pra quem você estava falando. De repente o assunto fazia o maior sentido, assim como tudo o que você havia dito também, mas estava sendo direcionado às pessoas erradas.

Certa vez, por exemplo, me peguei comentando sobre um vídeo que tratava de forma cômica o cotidiano de um publicitário, com uma amiga que não tem ideia de como seja, nem o que envolve esse universo. O texto era longo, cheio de gírias específicas do meio, e eu achando que estava abafando com a “piada”. No final das contas, as piada estava sendo eu mesma, e uma piada bem chata.

Todo mundo está sujeito a esse tipo de situação, é algo involuntário, mas é importante se policiar, porque ser desagradável é bem desagradável e pode prejudicar nossas relações. Nem sempre falar bastante é sinônimo de simpatia, pode ser sinônimo de idiotice também. Principalmente quando estamos no meio de um grupo que está discutindo sobre algo que não conhecemos. Pra que fingir que sabe se não sabe? É mais inteligente ficar quieto ou, se for viável, assumir que não sabe e buscar aprender, alí, na conversa mesmo.

Porque estou abordando esse assunto, não sei, acho que é por vontade de falar pelos cotovelos e não ter o que falar. Viu só como é chato isso. Fiz você ler esse poste inteiro, disse um monte de coisas, e na verdade, eu não queria dizer nada, porque, simplesmente, não tenho nada pra dizer. Eu queria mesmo é provar como é chato e irritante, alguém que não tem o que dizer e fica falando mesmo assim.

É isso. Eu não tinha nada pra dizer.

Ou tinha. Depende da sua interpretação.